24 de Abril de 2018
Portal Educativo de las Américas
  Idioma:
 Imprima esta Página  Envie esta Página por Correo  Califique esta Página  Agregar a mis Contenidos  Página Principal 
¿Nuevo Usuario? - ¿Olvidó su Clave? - Usuario Registrado:     

Búsqueda



Colección:
La Educación
Número: (118) II
Año: 1994

RESUMO

A nova realidade internacional que se configura no início da década de transição para o século XXI está acompanhada de uma renovada preocupação pela promoção da qualidade de vida e de educação, pela aplicação dos princípios de liberdade e equidade e pela adoção da democracia como caminho político para a construção e reconstrução permanente da civilização humana. À luz desses conceitos e partindo da premissa que todo processo civilizatório está associado à concepção e incorporação de valores, conhecimentos e práticas educacionais, a atenção imediata deste estudo se concentra na apresentação e interpretação crítica das teorias organizacionais e administrativas adotadas na educação contemporânea. Nesse contexto, o estudo analisa três perspectivas funcionalistas de gestão educacional (burocrática, idiossincrática e integradora) e três correspondentes perspectivas interacionistas (estruturalista, interpretativa e dialógica). A análise comparativa das várias perspectivas revela que elas são diferentes quanto a seus tipos de mediação e critérios de desempeno administrativo e quanto à postura de seus protagonistas e intérpretes sobre a condição humana na sociedade, sua definição de qualidade de vida e seus conceitos de liberdade, equidade, participação e democracia. O autor faz referência específica à influência das tradições internacionais de gestão educacional na América Latina e no Caribe. O estudo conclui com a defesa do pensamento crítico e da ação participativa na sociedade e na educação como instrumentos efetivos para a construção de um mundo mais livre e equitativo baseado num conceito integral de qualidade de vida humana.